TDAH - Transtorno de Deficit de Atenção e Hiperatividade

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um comprometimento neurocomportamental, caracterizado por desatenção e hiperatividade/impulsividade ou uma combinação destas que, frequentemente, resulta em prejuízo funcional podendo levar a outros diagnósticos. As causas para o TDAH ainda não são precisas, mas pesquisas científicas sugerem que há uma combinação da genética, ambiente e formação do cérebro.

O transtorno ocorre na infância antes dos 12 anos e 40 a 60% das crianças diagnosticadas sofrerão do transtorno na vida adulta. Grande parte dos adultos com TDAH não foram diagnosticados na infância, o que dificulta o diagnóstico nesta fase, pois a maioria dos sintomas são semelhantes a outros transtornos.

 

A pessoa adulta vivencia vários contextos para gerenciar e administrar em sua vida, como por exemplo, família, carreira profissional, relacionamentos, amizades e outros, um ADULTO com TDAH possui menos habilidades para organizar, focar, administrar e gerenciar os conflitos decorrentes destas áreas da vida.

 

É muito desafiador lidar com os sintomas do TDAH na vida adulta, porém uma boa notícia é que eles são superáveis. Com o tratamento adequado é possível lidar com os sintomas do transtorno e ter uma vida mais produtiva.

 

Os sintomas de TDAH em adultos podem incluir:

  • Impulsividade;

  • Desorganização e problemas de priorização de tarefas e compromissos;

  • Fracas habilidades de gerenciamento de tempo, tende a não cumprir prazos;

  • Dificuldade de foco em tarefas;

  • Problemas com multitarefas;

  • Atividade excessiva ou inquietação;

  • Pouco planejamento;

  • Baixa tolerância à frustração;

  • Mudanças de humor frequentes;

  • Problemas ao executar e concluir tarefas;

  • Problemas para lidar com o estresse;

  • Ignora ou perde detalhes;

  • Dificuldade de prestar atenção em palestras ou leitura de textos longos;

  • Dificuldade em cumprir prazos;

  • Evita se envolver em tarefas que exigem esforço mental;

  • Frequentemente parece estar em outro lugar quando alguém fala, mesmo sem uma distração óbvia;

  • Perde com facilidade objetos para tarefas diárias, por exemplo, caneta, óculos, telefone, papel;

  • Frequentemente inquieto;

  • Muitas vezes fala excessivamente;

  • Interrompe frequentemente as conversas;

  • Dificuldade de esperar a vez, por exemplo em filas;

  • Frequentemente interrompe ou entra em conversas ou ações de outras pessoas.

É necessário um profissional especializado para identificar o diagnóstico e dar as recomendações sobre o tratamento adequado.

Aqui você encontra profissional que pode te ajudar. 

                   

Lucinê Costa e Silva

Psicóloga – CRP 04/22623